Anúncio
BRASIL

Cachorro morre ao defender dona de ataque de abelhas

Segundo Luana, o ataque durou cerca de 15 minutos.

21/07/2020 15h37
Por: Redacao
Fonte: Por G1 DF e TV Globo
Luana Iara Vieira e o cachorro Tufão, que morreu após ataque de abelhas — (Foto: Arquivo pessoal)
Luana Iara Vieira e o cachorro Tufão, que morreu após ataque de abelhas — (Foto: Arquivo pessoal)

Duas mulheres e dois cachorros foram atacados por um enxame de abelhas no estacionamento do Parque da Cidade, em Brasília. Um dos cães que tentou defender a dona morreu com mais de 200 picadas do focinho.

Questionada sobre as medidas tomadas para evitar o risco de ataques, a administração do parque afirmou que “já solicitou ajuda ao Corpo de Bombeiros”.

O caso ocorreu por volta das 10h de domingo (19), no estacionamento 6 do parque, quando a advogada Luana Iara Vieira, de 38 anos, chegava no local com brinquedos para passar um tempo com os pets. “Eu sequer consegui descer minhas coisas do carro, e as abelhas vieram”, disse.

“Eu cheguei a falar: a gente vai morrer aqui”, relata a vítima.

Luana estava acompanhada da mãe, de 72 anos, e os dois cachorros: Beck, de quatro anos e Tufão, de sete anos, que morreu em decorrência das picadas.

“Foi muito rápido, minha mãe começou a gritar: 'tem um enxame aqui'. E já tinham muitas abelhas no corpo. O pelo dos cachorros já estava tomado de abelha. Pensei em entrar no carro, mas ficou cheio também”, conta a advogada.

Segundo a família, o cão mais novo, Beck, fugiu no momento do ataque. O mais velho, Tufão tentou proteger mãe e filha por um tempo e depois tentou se esconder debaixo do carro. Ele foi levado ao veterinário e morreu nesta segunda-feira (20) – quando se celebra o Dia do Amigo.

“Ele sempre teve um instinto protetor e ficou lá, próximo da gente. Para mim, ele foi um herói”.

Segundo Luana, o ataque durou cerca de 15 minutos. Nesse período, ela conseguiu se livrar de alguns insetos batendo no corpo e rolando no chão. O Corpo de Bombeiros foi chamado por uma mulher que estava próximo ao local.

“Ninguém conseguia nos ajudar, e eu entendo o receio. Um homem chegou a me oferecer carona, mas eu falei que não podia entrar no carro dele daquele jeito, porque tinha muita abelha no corpo ainda”, disse.
Tudo só acabou com a chegada dos militares, que usaram jato de água com mangueira para espantar as abelhas, segundo Luana. De acordo com os bombeiros, uma equipe fez uma ronda pelo local, após o incidente, e "verificou que os insetos não ofereciam mais riscos para ninguém que estava ali".

Resgate

Beck, o cão que conseguiu fugir do ataque, foi encontrado ainda pela manhã de domingo, próximo a W3 Sul, quando tentava entrar na portaria de um prédio. Familiares fizeram ronda na região até achar o animal. O cachorro está recebendo medicação.

Luana, que costumava frequentar o parque para jogar disco com Tufão, afirma que avalia a possibilidade de processar a administração do Parque da Cidade.

“É uma sensação de revolta com a inércia da Administração. São tantas famílias e crianças que frequentam aquele parque”, lamenta.

Em busca de atendimento

Luana e a mãe, moradoras da Candangolândia, se recuperaram dos ferimentos após tomar medicamentos antialérgicos. Elas optaram pelo tratamento doméstico após não conseguir atendimento em hospitais.

Inicialmente, as duas foram levadas por familiares ao Hospital Regional da Asa Norte (Hran), mas não conseguiram atendimento devido à unidade estar atendendo apenas casos de queimadura e pacientes com a Covid-19.

Segundo Luana, atendentes do Hran sugeriram que elas fossem até o Hospital Regional de Taguatinga (HRT), mas uma mulher que tentava atendimento no local alertou que acabava de voltar de lá, e não havia médico.

A Secretaria de Saúde informou em nota que “a emergência do HRT está atendendo somente os casos graves de especialidades, os casos de atendimento de Clínica Médica são referenciados para atendimento nas Unidades de Pronto Atendimento (UPAS) da Região de Saúde Sudoeste, que são as UPAs de Samambaia e do Recanto das Emas”.

Ainda segundo a pasta, as UPAs receberam seis médicos cada para reforço de profissionais.

Administração do parque

Em nota, a administração do parque informou que pediu ajuda ao Corpo de Bombeiros e um especialista em abelhas para identificar enxames. Segundo a direção, a equipe encontrou os insetos na piscina de ondas.

“Pedimos desculpa a essa família por serem atacadas, com agravante de perderem o seu animal de estimação, ocorre que temos muito cuidado com mosquito da dengue, abelhas e marimbondos”, informou a administração.