Anúncio
VIOLÊNCIA

Família não aceita diagnóstico, agride médico e destrói hospital

A fiança foi fixada em R$ 693 mas, como ele não pagou a quantia, permaneceu preso.

06/01/2020 10h40
Por: Redacao
Fonte: Por G1 Santos
Um homem foi preso em flagrante por danos ao patrimônio público. (Foto: Reprodução)
Um homem foi preso em flagrante por danos ao patrimônio público. (Foto: Reprodução)

Um médico foi agredido e equipamentos de uma unidade de saúde foram destruídos após os pais de uma criança discordarem do diagnóstico dado pelo pediatra de uma UPA em Peruíbe, no litoral de São Paulo. A família é de São Bernardo do Campo (SP) e a criança foi diagnosticada com um tipo comum de alergia, mas a mãe insistia que era sarampo. Um homem foi preso em flagrante por danos ao patrimônio público.

Em entrevista ao G1 neste sábado (4), o médico, que preferiu não se identificar, relatou que a família chegou à Unidade de Pronto Atendimento (UPA) por volta da 1h20 e foi atendida poucos minutos depois pelos profissionais. "O atendimento foi simples e rápido. A paciente, uma menina de quatro anos, tinha dermatite atópica e prescrevi o tratamento. Não havia nenhum sintoma que pudesse me fazer pensar em sarampo", conta.

A mãe da paciente, insatisfeita com o diagnóstico, alegou que era cabeleireira e que 'entendia de pele', insistindo que seria supostamente um caso de sarampo. "Ela dizia: 'Sou cabeleireira, eu entendo de pele, isso é sarampo sim'. Mas a criança não tinha tido febre e o tipo de manchas na pele era diferente do que o sarampo acaba ocasionando". O médico, então, conta que prescreveu uma pomada e um remédio antialérgico para a menina.

A mãe saiu do consultório com a criança mas, quando o médico voltou à recepção para buscar novas fichas de atendimento, a família estava perguntando na recepção qual era o nome completo do profissional e o número de inscrição no Conselho Regional de Medicina (CRM). "Eu avisei a eles que estava tudo no carimbo que assinei na receita", conta. "Então a mãe da criança disse que tinha rasgado o papel e exigia a informação".

Neste momento, uma mulher gestante que acompanhava a família surgiu e, de acordo com o médico, tentou agredir o profissional. "Eu não esperava isso. Ninguém espera uma agressão enquanto trabalha. Ela veio e tentou me dar um soco, mas consegui segurar o braço dela", relata. "Neste momento, a mãe da criança, que já tinha discordado de mim, surgiu e desferiu um soco no lado esquerdo do meu rosto. Ela veio com a mão fechada".

Os guardas de plantão na unidade de saúde prontamente surgiram para separar a família e impedir novas agressões ao médico, que se afastou da confusão. Um homem que acompanhava as mulheres e a criança desferiu socos na televisão da UPA, destruindo o aparelho e, em seguida, quebrou também um conjunto de cadeiras e uma máquina digital para registro do ponto dos funcionários da unidade de saúde. A família foi embora em seguida.

A Guarda Civil Municipal foi acionada e a família, que veio de São Bernardo do Campo (SP), foi encontrada por meio da ficha de atendimento registrada na unidade de saúde. De acordo com a Secretaria de Segurança Pública, o homem envolvido na confusão foi encaminhado à Delegacia Sede de Peruíbe e autuado em flagrante por dano qualificado, por conta do crime ter sido cometido contra o patrimônio público. A fiança foi fixada em R$ 693 mas, como ele não pagou a quantia, permaneceu preso

Nenhumcomentário
500 caracteres restantes.
Seu nome
Cidade e estado
E-mail
Comentar
* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou com palavras ofensivas.
Mostrar mais comentários